Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

...é bom e eu gosto!

Aqui partilho o que mais gosto e me interessa; fotografias, decoração, arquitetura, inspirações, curiosidades, receitas, livros, viagens, boas ideias e espero que me ajudem com a vossa opinião e sabedoria...

...é bom e eu gosto!

Aqui partilho o que mais gosto e me interessa; fotografias, decoração, arquitetura, inspirações, curiosidades, receitas, livros, viagens, boas ideias e espero que me ajudem com a vossa opinião e sabedoria...

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

2540_0_pos.jpg

 O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, celebrado a 10 de junho, é o dia em que se assinala a morte de Luís Vaz de Camões em 1580, sendo também este o dia dedicado ao Santo Anjo da Guarda de Portugal, protetor do país, comemorado com um feriado nacional.

Durante o Estado Novo, de 1933 até à Revolução dos Cravos de 25 de abril de 1974, era celebrado como o Dia da Raça: a raça portuguesa ou os portugueses.

 

Com os trabalhos legislativos após a Proclamação da República Portuguesa de 5 de Outubro de 1910, foi publicado um decreto em 12 de Outubro estipulando os feriados nacionais. Alguns feriados foram eliminados, particularmente os religiosos, de modo a diminuir a influência social da igreja católica no Estado.

Neste decreto e ficaram consignados os feriados de 1 de Janeiro, Dia da Fraternidade Universal; 31 de Janeiro, que evocava a revolução falhada do Porto, e portanto foi consagrado aos mártires da República; 5 de Outubro, Dia dos heróis da República; 1 de Dezembro, o Dia da Autonomia (Restauração da Independência) e o Dia da Bandeira; e 25 de Dezembro, que passou a ser considerado o Dia da Família, tornando menos religiosa do Natal.

O decreto de 12 de Junho dava ainda a possibilidade de os concelhos escolherem um dia do ano que representasse as suas festas tradicionais e municipais.

Com a entrada em vigor da Constituição de 1933, todas estas leis ficaram sem efeito.

Camões é considerado símbolo do heroísmo portu

Luís de Camões representava o génio da pátria na sua dimensão mais esplendorosa, significado que os republicanos atribuíam ao 10 de Junho, apesar de nos primeiros anos da república ser um feriado exclusivamente municipal. Com o 10 de Junho, os republicanos de Lisboa tentaram invocar a glória das comemorações de Camões de 1880, uma das primeiras manifestações das massas republicanas em plena monarquia.

A estátua de Camões em Lisboa foi construída du

 A 10 de junho de 1579 ou 1580, Luis Vaz de Camões morre em Lisboa, deixando para trás uma das obras que mais enalteceu as aventuras e descobertas portuguesas: Os Lusíadas. Já no século XIX, foi na figura de Camões que os liberais portugueses encontraram um símbolo para a sua luta contra a presença dos ingleses em Portugal, e que mais tarde levou à implantação da República. E foi também a figura de Camões que deu origem a este feriado.

Camões está sepultado no Mosteiro dos Jerónimos

 Foi a sua exaltação dos feitos portugueses que fez de Camões o símbolo da pátria, querido pelos republicanos. Uma vez que não se tem a certeza da data do seu nascimento, a celebração da sua obra foi escolhida para o dia da sua morte, e ainda no século XIX a Câmara de Lisboa quis construir uma estátua do escritor.

18515105_mZUoT.jpg

 Esta estátua jacente de Luiz Vaz de Camões encontra-se no Mosteiro dos Jerónimos. Os seus restos mortais estarão ali ou não, mas o que importa é o Homem de Letras que ele foi.

 

O 10 de Junho começou a ser mais valorizado com o Estado Novo, o regime instituído em Portugal em 1933 sob a direcção de António de Oliveira Salazar. Foi a partir desta época que o dia de Camões passou a ser festejado a nível nacional. A generalização dessas comemorações deveu-se bastante à cobertura dos meios de comunicação social.

Durante o Estado Novo, o 10 de Junho continuou sendo o Dia de Camões. O regime apropriou-se de determinados heróis da república, não no sentido laico que os republicanos pretendiam, mas num sentido nacionalista e de comemoração colectiva histórica e propagandística.

Até ao 25 de Abril de 1974, o 10 de Junho era conhecido como o Dia de Camões, de Portugal e da Raça, este última alcunha criada por Salazar na inauguração do Estádio Nacional do Jamor em 1944. A partir de 1963, o 10 de Junho tornou-se numa homenagem às Forças Armadas Portuguesas, numa exaltação da guerra e do poder colonial. Com uma filosofia diferente, a Terceira República converteu-o no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em 1978. Só em 1978, já depois da revolução do 25 de abril de 1974, é que o feriado passou a ser conhecido como hoje é denominado: Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Camões_Os_Lusíadas_Page001_1r.jpg

 No Decreto-Lei n.º 39-B/78 de 2 de março, lê-se: "O dia 10 de Junho, Dia de Camões e das Comunidades, melhor do que nenhum outro, reúne o simbolismo necessário à representação do Dia de Portugal. Nele se aglutinam em harmoniosa síntese a Nação Portuguesa, as comunidades lusitanas espalhadas pelo Mundo e a emblemática figura do épico genial."

PORTUGUESES_MUNDO.jpg

Ainda hoje várias são as comunidades portuguesas no estrangeiro que celebram este dia com vários eventos e festas. Por cá, as comemorações começaram ontem, 9 de junho, e são vários os eventos por todo o país que marcam o dia. 

Desde o ano 2013 a comunidade autónoma da Extremadura espanhola festeja também este dia.

portugal_10144.jpg

As comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas são celebradas por todo o país, mas só as Comemorações Oficiais são presididas por sua excelência, o Presidente da República e muitas outras individualidades como o Primeiro-Ministro, os Embaixadores e outras demais ilustres personalidades. As comemorações envolvem diversas cerimónias militares, exposições, concertos, cortejos e desfiles, além de uma cerimónia de condecorações feita pelo Presidente da República.

Desde 1977 dezenas de cidades já receberam as comemorações, oito delas não capitais de distrito. Todos os anos, o Presidente da República Portuguesa elege uma cidade para ser sede das comemorações oficiais.

Lagos40_kopie-1.jpg

Curiosidades sobre Portugal:

bandeiras_portugal.gif

 

A primeira bandeira de Portugal era muito mais simples e nada tinha a ver com a actual, era assim;

Roma_Itália-1.jpg

 Há mais igrejas portuguesas em Roma que cidades portuguesas, em diversas igrejas de Roma podem-se admirar obras de ilustres cardeais portugueses: Túmulo de Dom Antão Martins de Chaves, na Basílica de São João de Latrão; O túmulo do cardeal D. Jorge Costa, o Alpedrinha, na Igreja de Santa Maria do Populo (Chies adi santa maria del popolo); O túmulo do cardeal D. Pedro Fonseca nas catacumbas do Vaticano; etc… Nesta cidade, entre os monumentos funerários de portugueses são ainda de destacar no séc. XVII duas capelas: a capela Fonseca, na igreja de S. Lourenzo in Luciano, executada por Belini (Gabriel da Fonseca foi médico do Papa Inocêncio X); Capela da Sylva, na igreja de Santo Isidoro, também feita por Belini (Rodrigo Lopes da Silva, cavaleiro de Santiago e a sua mulher Beatriz da Silveira – Condensas da Silva que mandaram construir a capela para eles e seus descendentes, trata-se de uma família de ricos cristãos-novos).

paris.jpg

 Paris é a segunda cidade do mundo com mais portugueses; conhecida como a cidade luz ou do amor. Entre as décadas de 50 e 60, Paris foi o destino de 1,5 milhões de portugueses que fugiram da miséria e do governo de Salazar.

Coutomixto4.jpg

 Durante 800 anos existiu um pequeno país entre Portugal e Espanha; por muito estranho que pareça, é mesmo verdade! Conhecido como Couto Misto, este pequeno território entre os dois países tinha regras próprias e podia acolher refugiados de ambos os países. Situava-se na zona de Tourem, em Montalegre.

aristides-de-sousa-mendes-4-728.jpg

 O embaixador Sousa Mendes salvou mais judeus que Óscar Schindler; Consolo de Portugal em Bordéus no ano da invasão da França pela Alemanha Nazi na segunda guerra mundial, Sousa Mendes desafiou ordens do ditador António de Oliveira Salazar que acumulava a função de ministro dos Negócios Estrngeiros, e durante cinco dias concedeu milhares de vistos de entrada em Portugal a refugiados de várias nacionalidades que desejavam fugir de França em 1940.

aristides12.jpg

Por muitos considerado um herói, Aristides de Sousa Mendes terá salvo dezenas de milhares de pessoas do Holocausto. Chamado de “o Schindler português” salvou a vida de milhares de pessoas entre eles cerca de 10 mil Judeus.

16701622_bNBsb.jpg

 Um português foi Rei de Myanmar; Filipe Brito era um comerciante e aventureiro que tentava fazer fortuna no Oriente. Envolvido em várias batalhas como conselheiro do Sultão do Pegu, uma região de Myanmar.

sem nome11.png

 Devido a essas vitórias a reputação dos portugueses foi tão grande que em consideração ao seu êxito e seu bom temperamento, chamado por eles de “changá” ou “homem-bom”, proclamaram-no Rei.

Garcia de Orta recebeu a cidade de Bombaim como pr

 Garcia de Orta recebeu a cidade de Bombaim como presente pelos seus serviços a um Sultão; foi médico conceituado em Goa, no Hospital e na prisão de Goa. Médico de figuras relevantes do meio politico e social como o Sultão de Ahmadnagar, exercia também o comércio e outras actividades lucrativas, contactando com comerciantes e viajantes de todas as nacionalidades e religiões, que iam a Goa.

Map_of_Bassein_from_Portuguese_Atlas_(1630).jpgGraças ao seu serviço e amizade com o vice-rei Pedro Mascarenhas, em cerca de 1554 foi-lhe dado o foro da ilha de Bombaim, então sob domínio português. Em Bombaim mandou construir uma quinta ou solar no local onde os britânicos erigiram o forte de Bombaim, actualmente camado também de Castelo e Casa de Orta.

n29a09f6.jpg

 No séc. XVI quase todas as cortes da Europa tinham um médico português; estávamos em plena era dos descobrimentos e, além disso, a fama da Universidade de Coimbra estendia-se por toda a Europa. Daí muitos reis da época fazerem questão de ter um médico português ao seu serviço, devido á sua formação em Coimbra e aos conhecimentos extra trazidos das ex-colónias portuguesas.

mapapt1-1.jpg

 Temos as fronteiras mais antigas da Europa; as fronteiras de Portugal-Espanha, conhecidas pelo epíteto de A Raia (em espanhol: La Raya; em galego: A Raia), é a linha que divide os territórios de Portugal e Espanha. É uma das mais antigas fronteiras da europa, com alguns limites estabelecidos desde o tempo do Condado Portucalense e do Reino de Leão. A história da raia está associada à história da Reconquista na parte ocidental da Península Ibérica. Os acontecimentos determinantes são o tratado de Zamora, em 1143, que assinala o nascimento de Portugal como reino independente e o tratado de Alcanizes, em 1297, que estabelece no essencial as fronteiras de Portugal.

chadascinco.jpg

 O chá foi introduzido na Inglaterra pelos portugueses; os ingleses ganharam a fama mundial do “chá das 5” mas na realidade, quem levou o chá para Inglaterra foram os portugueses e, a primeira rainha Inglesa a criar o hábito do chá das 5 era portuguesa. E a razão da palavra inglesa para chá ser “tea” é porque os portugueses transportarem o chá em caixas de madeira assinaladas com a letra T, que na língua inglesa se pronuncia “tea”. 

img_1853.jpg

 

Pesquisar

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • antonimo

  • Raquel Costa

    Boa tarde, andava com a ideia de mudar a decoração...

  • Anónimo

    Após dourar eu ponho no processador e vou pondo az...

  • Susana Silva

    Bom dia.Gostaria de deixar um comentário super pos...

  • joao pedro

    Gostei de ler e aprendi, preenchendo lacunas naqui...

Mensagens

Tags

mais tags